[Resenha] Identidade Roubada, Chevy Stevens

sábado, 5 de maio de 2012

Depois de algum tempo sem postar resenhas, trago mais uma, dessa vez, um thriller psicológico. Foi uma experiência nova para mim, não me lembro de ter lido thrillers antes. No começo, até dei umas boas risadas... Bem, é melhor deixar pra falar sobre isso no final da postagem.

_________________________________________________

Identidade Roubada


Título: Identidade Roubada
Autora: Chevy Stevens
Editora: Arqueiro
Páginas: 256
Gênero: Literatura Estrangeira e Policial

Sinopse

Era para ser um dia como outro qualquer na vida de Annie O’Sullivan. A corretora de imóveis levanta da cama com três objetivos: vender uma casa, fazer as pazes com a mãe e não se atrasar para o jantar com o namorado.

Naquele domingo, aparecem poucas pessoas interessadas em visitar o imóvel. Quando Annie está prestes a ir embora, uma van estaciona diante da casa e um homem sorridente vem em sua direção. A corretora tem certeza de que será seu dia de sorte. Mas o inferno está apenas começando.

Sequestrada por um psicopata, Annie fica presa durante um ano inteiro em um chalé nas montanhas, onde vive um pesadelo que deixará marcas profundas.


Resenha

A corretora de imóveis Annie é uma mulher comum, do tipo que adora conversar com a melhor amiga, ficar em casa com o namorado e dar longas caminhadas com sua cadela de estimação. Mas, num domingo de plantão aparentemente igual a todos, é surpreendida por um possível cliente em potencial, o atraente e sorridente David que, na verdade, é seu sequestrador.

Rendida por uma arma e sedada, Annie é jogada no fundo de uma van e levada para um lugar desconhecido nas montanhas. Trancada num chalé, sem chances de sequer ver a luz do dia, David, ou o Maníaco, como ela o chama, obriga Annie a manter uma rotina doentia. Os dois ficam presos durante um ano, período em que Annie vive experiências extremamente absurdas; o Maníaco, além de prendê-la em seu mundo de loucuras, ainda destrói todo e qualquer resquício de esperança que ela possa ter.

Após se libertar do cativeiro, Annie apresenta uma série de neuroses e termina sendo obrigada a fazer terapia. Desse modo, Identidade Roubada é narrado em primeira pessoa, para uma terapeuta.

Uma história surpreendente, sem sombra de dúvidas. No início, como disse anteriormente, até dei umas boas risadas; as atitudes do psicopata eram tão absurdas que eu me sentia incitada a rir. Porém, ao avançar dos capítulos, ou das sessões, a coisa foi ficando tão intensa... Parecia realidade!

Gostei do fato de a terapeuta nunca ter falado nada, mas, quando Annie falava por ela, era um tanto óbvio, sem brilho - essa deve ser a minha única crítica em todo o livro. Talvez a introdução do Discurso Indireto ou a concentração no que chamo de "narração em 2ª pessoa" misturada ao Monólogo Interior, especificamente nessas partes, resolvesse o problema. Não estou dizendo que ficou ruim, pelo contrário, é um primeiro livro excelente, qualquer autor desejaria uma estreia dessas; apenas, como escritora, notei a dificuldade que Chevy Stevens encontrou para escrever as falas de uma personagem que não fala. Complicado demais mesmo.

Em resumo, posso dizer que a história é muito boa. Os personagens são cativantes, inclusive o maníaco - todo vilão tem sua parcela de glória! -, a mãe de Annie, Lorraine, é louca, mas Annie é verdadeira. Enfim, Identidade Roubada é um daqueles livros que vale a pena sentar e devorar.



2 comentários:

  1. Eddy disse...:

    Bom, pelo que eu vi aí em cima, o personagem mais interessante dessa história parece ser o "maníaco". Ele foi qm me deixou intrigado. Fiquei curioso em saber qual sua motivação e o porquê de tudo. Enfim, Já ta na minha lista. :)

  1. Isie Fernandes disse...:

    Escritor tem fascínio por vilão, é típico da classe. =) Mas há outro personagem muito interessante na história, o policial Gary. Ele só apareceu mesmo do meio pro final, um coadjuvante e tanto!

Postar um comentário

A sua participação é muito importante. Comente!