[Resenha] Belo Desastre

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Finalmente resolvo escrever a resenha de Belo Desastre. Sabe quando você lê um livro uma, duas, três vezes, e mesmo assim não faz ideia do que dizer sobre ele? Assim estou. Mas vamos em frente, pois hoje eu darei um jeito de expressar tudo que senti ao ler a história da Abby.

______________________________________

Belo Desastre

Título original: Beautiful Disaster
Autora: Jamie McGuire
Tradução: Ana Death Duarte
Editora: Verus
Gênero: New Adult Romance
Ano: 2012
Páginas: 389


Sinopse

Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade.

Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa – e deseja – evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade.

Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento dele pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura. E é então que eles se envolvem em uma relação intensa e conturbada, que pode acabar levando-os à loucura.

Resenha

Abby Abernathy é uma garota certinha de dezoito anos que saiu de sua cidade Wichita, no Kansas, para estudar bem longe, na faculdade Eastern. Certo dia, ela decide ir com America, sua melhor amiga, e o namorado dela, Shepley, a uma luta clandestina num dos porões da faculdade e lá termina conhecendo ninguém menos que Travis "Cachorro Louco" Maddox. Ele faz o tipo bad boy, destemido, bonito e todo tatuado, e é famoso por já ter ficado com quase todas as garotas da faculdade. 

"Um pesado par de botas parou diante de mim, desviando minha atenção para o chão. Meus olhos foram se voltando para cima: jeans manchado de sangue, músculos abdominais bem definidos, um peito tatuado ensopado de suor e, finalmente, um par de cálidos olhos castanhos." (pag. 12)

Quando descobre que Abby é a melhor amiga da namorada de seu primo e colega de apartamento, Travis simplesmente resolve conquistá-la. O problema é que Abby é certinha demais para se deixar enlaçar por alguém tão cafajeste, e ele promete que não vai tentar ter nada com ela além de amizade. O combinado parece dar certo por um tempo, mas então, minutos antes de uma luta, Travis lhe propõe uma aposta: se ele perder, fica trinta dias sem sexo; se ela perder, passa trinta dias no apartamento dele. A partir desse ponto, os limites do relacionamento deles ficam cada vez mais tênues.

"Não discuti, simplesmente me virei e descansei a cabeça no travesseiro, enfiando as cobertas atrás de mim a fim de criar uma barreira clara entre o corpo dele e o meu.
- Boa noite, Beija-Flor - ele sussurrou no meu ouvido.
Eu podia sentir seu hálito de menta na minha face, o que fez cada centímetro do meu corpo arrepiar. Ainda bem que estava muito escuro e ele não pôde ver minha reação embaraçosa, ou o rubor que tomou conta do meu rosto em seguida." (pag. 47)

Confesso que essa é uma das resenhas mais complicadas que já escrevi. Não pelo livro, que é maravilhoso, mas por minha incapacidade de expressar todas as emoções e sensações que ele me proporcionou. Narrado pela Abby, Belo Desastre, apesar dos clichês, é uma história romântica, complexa e totalmente viciante. A linguagem é simples e a narração é tão fluida que a gente começa a ler e tem a impressão de que só vai conseguir parar quando chegar à frase final. Os personagens foram muito bem construídos e o fato de a narração ter sido feita em primeira pessoa não comprometeu na caracterização de nenhum deles. Captamos as características físicas e psicológicas de todos, até mesmo dos menos influentes na história, como o pai e os irmãos de Travis.

Ainda falando sobre os personagens, America é o tipo de amiga que qualquer garota gostaria de ter, e Shepley, apesar de meio inseguro e um tanto atrapalhado, é um cara bem-humorado, romântico e super legal. Mas o que interessa mesmo nessa história - e os garotos que estiverem lendo a resenha não se aborreçam comigo - é falar sobre o Travis Maddox. Ele é lindo, forte e complicado, muito complicado! Para falar a verdade, fiquei encantada com a complexidade que a Jamie McGuire conseguiu dar a ele. 

"- Eu posso me cuidar sozinho, Abby.
- Desculpa, eu...
- Não quero que você peça desculpas. Não quero que você faça nada - ele retrucou, se afastando bruscamente da mesa e saindo como um raio pela porta." (pag. 68)

Como nem tudo são flores, algumas coisas na história me incomodaram. Mesmo não gostando do fato de o personagem mais perfeito do livro ser um verdadeiro cafajeste - ao menos na primeira parte da história - e fumar tanto quanto uma chaminé, eu queria que ele mantivesse o temperamento intrépido até o fim. A história do pai da Abby também não caiu muito na minha graça, apesar de considerá-la importante para embasar as atitudes dela. E, por mais que eu ame livros longos, senti uma rachadura no meio da história, como se o livro tivesse um objetivo, uma problemática central, e de repente ele mudasse. Não estou dizendo que isso foi ruim ou que o ritmo caiu, pelo contrário, foi muito bom e o ritmo se manteve acelerado e empolgante, apenas fiquei imaginando por que a autora não o dividiu em duas partes ou explorou um pouco mais a ambas e transformou Belo Desastre em dois volumes. 

A diagramação do livro é simples, mas tem alguns detalhes legais, como a leve mudança de fonte nas frases iniciais dos capítulos. O bom espaçamento e as páginas amareladas dão conforto à leitura. A capa, aparentemente, é uma incógnita. Passei quase o livro inteiro tentando imaginar o que significava aquela borboleta presa num pote, visto que Travis chama Abby de Beija-Flor, mas há uma explicação bem plausível, e eu até gostaria que o evento motivador da capa fosse um pouco mais explorado pela autora.

Apesar das pequenas observações que fiz, Belo Desastre foi um dos melhores livros que li no ano passado. A leitura foi tão empolgante que eu o reli duas semanas após a primeira vez, e a história me pareceu tão encantadora quanto se eu nunca o tivesse lido. Estou relendo Belo Desastre novamente e posso dizer que a Jamie McGuire foi brilhante. Ela escreveu um romance envolvente, apaixonante e genuíno que em breve será adaptado para o cinema. E não para por aí, a autora lançará um segundo livro, Walking Disaster, que contará a mesma história, agora, narrada pelo Travis. Mal posso esperar por tudo isso! 

"Ele ergueu meu queixo para que eu o encarasse.
- Eu sei que você merece alguém melhor do que eu. Você acha que eu não sei disso? Mas se existe alguma mulher feita para mim... essa mulher é você." (pag. 189)

Como não poderia ser diferente, recomendo a leitura desse livro que entrou para o rol dos meus favoritos a todos que gostam de um bom New Adult (YA com cenas de sexo?) - atenção para este fato, menores de dezoito anos! 


[Parceria + Entrevista] Karen Soarele

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

É isso mesmo, pessoal. Firmei parceria com a escritora Karen Soarele, esse doce de pessoa! Para começar, uma boa entrevista em que ela fala um pouco sobre sua vida pessoal, carreira, livros lançados - Línguas de Fogo e A Rainha da Primavera - e ainda dá dicas para quem está começando a escrever. Confiram!

____________________________________________________

Entrevista com Karen Soarele


Isie Fernandes: Em primeiro lugar, gostaria de dizer que estou muito contente por você aceitar o “de Dai para Isie” como blog parceiro e por me ceder essa entrevista. Para começarmos, nada melhor do que saber um pouco sobre a Karen: você é solteira, casada, enrolada...?

Karen Soarele: Eu estou a caminho do desencalhe! Meu namorado é o Luís Brüeh, ele é o artista que faz a capa dos meus livros. Nós começamos a namorar em 2006, no primeiro ano da faculdade, e noivamos no finzinho de 2010. “E ela encasquetou que quer casar agora!”, haha... Vou subir ao altar esse ano, no dia 21 de abril. Na verdade, falta menos de dois meses! Estou super ansiosa!

Isie Fernandes: Como foi a sua introdução ao mundo da literatura e quando você percebeu que poderia se tornar uma escritora?

Karen Soarele: Era uma vez uma menina de quatro anos que aprendeu a ler e nunca mais parou. Na verdade, não sei dizer exatamente quando fui introduzida ao mundo da literatura, porque sempre gostei de ler e escrever. Criava personagens, escrevia poemas... Recebi bastante incentivo, tanto em casa quanto na escola. Escrever livros veio com o tempo, naturalmente. Quando comecei, eu não esperava publicar nada, escrevia só pelo prazer. Publicar é que foi uma decisão marcante. A ideia surgiu do meu noivo, que me convenceu de que mais pessoas ficariam felizes em ler minhas histórias, e deu certo!

Isie Fernandes Devido ao seu gênero de escrita, imaginamos que Literatura Fantástica seja seu gênero preferido. Você tem algum autor favorito? Se sim, qual e por quê?

Karen Soarele: Tenho, sim! C. S. Lewis. Eu fico muito admirada com a forma como ele nos guia por uma história maravilhosa, tão simples e ao mesmo tempo tão complexa.

Isie Fernandes Muitas pessoas consideram os escritores solitários ou cheios de mania. Você tem algum ritual ou adota alguma sistemática na hora de escrever?

Karen Soarele: Teve um tempo em que eu escrevia todos os dias enquanto saboreava um delicioso caqui. Mas a época de caqui passou, e a minha mania foi por água abaixo!

Isie Fernandes A maioria dos escritores começa a escrever muito antes de lançar seu primeiro livro, e nem sempre o primeiro lançamento é sua primeira obra escrita. Você tem algum projeto que nasceu antes de “Línguas de Fogo”? Se sim, ainda pretende lançá-lo? Fale-nos um pouco sobre ele.

Karen Soarele: Muita gente não sabe, mas eu escrevi A Rainha da Primavera antes de Línguas de Fogo, mas a ordem de lançamento acabou se invertendo. Além disso, tenho alguns projetos pela metade dos quais me envergonho. São péssimos! Nunca vou mostrar a ninguém!

Isie Fernandes Como surgiu a ideia de criar o seu próprio mundo, Myríade?

Karen Soarele: Surgiu ao longo de muitos anos. Eu queria um lugar que fosse só meu, onde tudo o que eu sonhasse fosse possível. Um pouco egoísta, né? Mas, no final das contas, eu acabei compartilhando o meu mundo com todos vocês.

Isie Fernandes Quanto tempo você demorou para escrever “Línguas de Fogo”? E o que sentiu ao perceber o quanto ele tão foi bem-aceito pelos leitores?

Karen Soarele: A partir do momento em que o universo já estava estruturado, escrever o livro levou mais ou menos seis meses. No início eu estava um pouco receosa de mostrar para todo mundo o que eu tinha escrito, o universo que tinha criado. Mas isso se mostrou ser um medo bobo, porque os leitores adoraram! A cada nova resenha que chega, eu vibro e pulo de alegria! Pareço uma criança que ganhou um doce.

Isie Fernandes Sabemos que a série “Crônicas de Myríade” será composta por cinco títulos, e que o segundo lançamento será “Tempestade de Areia”. O que você pode nos falar sobre esse segundo livro? Já existe previsão de lançamento?

Karen Soarele: Ainda não tem data marcada, mas será este ano. Já estou chegando aos finalmentes do livro, e posso adiantar que vocês vão vibrar enquanto leem! Está muito emocionante, com muita aventura, acontecimentos inesperados, e um aprofundamento maior na história dos personagens. Além de personagens novos muito carismáticos, e a viagem a um local de Myríade que ainda não foi explorado pelo leitor: o deserto de Datillion.

Isie Fernandes Você foi bastante corajosa ao disponibilizar “A Rainha da Primavera” para download gratuito. Qual a sensação que você teve ao descobrir o grande número de leitores que baixaram a obra?

Karen Soarele: Disponibilizar A Rainha da Primavera foi uma aventura e tanto! No início, para liberar o download, o leitor tinha que curtir a Fanpage ou fazer um Tweet. Foi excelente, porque muita gente ficou sabendo do livro gratuito. Muita gente, mesmo. Até que eu tirei essa obrigatoriedade da divulgação, para facilitar pra todo mundo, mas as pessoas acabam divulgando mesmo assim. Elas gostam e indicam para os amigos. Então a coisa tomou uma proporção que eu não imaginaria. Hoje em dia, às vezes eu estou passeando por blogs literários e acabo esbarrando em resenhas do livro. É difícil descrever o quão contente eu fico! No final, as pessoas que mais gostam decidem comprar o outro livro, primeiro porque querem retribuir, e segundo porque ficam com sede de mais histórias em Myríade!

Isie Fernandes  Muitos dos seus leitores tiveram o primeiro contato com sua escrita através de “A Rainha da Primavera” e, assim como eu, se apaixonaram pelos personagens Flora e Dimitri. Você poderia nos revelar se tem planos para esses personagens em futuras histórias?

Karen Soarele: Tenho sim, e vocês vão se espantar! É tudo o que eu posso dizer.

Isie Fernandes Além de escritora, você também é ilustradora. Fale-nos um pouco sobre como é poder imaginar e configurar a imagem dos seus personagens.

Karen Soarele: É comum acontecer uma pequena confusão. Eu sou ilustradora de livros infantis, mas não fui eu quem criou a capa do meu livro. Pedi isso para o meu noivo, que faz traços juvenis muito melhor do que eu. O meu forte é desenhar para revistas de passatempos para crianças de 3 a 8 anos.

Isie Fernandes: Publicar livros no Brasil pode ser bastante complicado. Qual foi a sua maior dificuldade durante o processo de publicação de “Línguas de Fogo” e qual a dica-chave que você daria para novos escritores que ainda não foram publicados?

Karen Soarele: Para mim, a publicação foi um pouco diferente. A minha formação em Publicidade e Propaganda e a minha experiência como ilustradora me ajudaram muito, pois me deram uma base de conhecimentos sobre design gráfico e o mercado editorial. Então, antes de começar, eu já tinha uma ideia de quais eram os desafios que eu tinha pela frente. As maiores dificuldades que enfrentei foram:

1) O investimento inicial: Não importa o que você faça, publicar um livro sai caro;
2) A distribuição: É difícil para todo mundo;
3) A distância: Eu moro em Campo Grande/MS, distante dos grandes centros onde acontecem os melhores eventos de literatura. Então preciso inventar coisas legais por aqui mesmo, ou me virar para viajar. Aproveito para convidar todos os leitores do blog a me encontrarem em Brasília no dia 20 de julho, e na Bienal do Rio, no dia 31 de agosto. Mais informações serão colocadas no meu blog, quando estiver mais perto dessas datas.

Agora, voltando à pergunta: àquelas pessoas que sonham em publicar um livro, deixo uma única dica: não vá com muita sede ao pote. Pense muito bem, analise muito bem. Não publique com a primeira editora que surgir pela frente, em vez disso converse com vários editores primeiro, que é para não se arrepender depois. Ah, e revise muito bem o seu texto!

Isie Fernandes: Para encerrarmos, que tal um bate e volta?



Uma pessoa - O meu noivo, Luís, que eu admiro muito.
Um lugar - Fernando de Noronha, o paraíso na terra.
Um sonho - Terminar de escrever a série Crônicas de Myríade. Estou me empenhando muito nisso!
Um filme - A Origem
Um livro - As Crônicas de Nárnia
Um jogo - Castle Crashers
Uma comida - Sushi de salmão
Uma bebida - Toddynho
Sucesso - A felicidade no dia a dia.
Dinheiro - Eu quero!!
Família - Sem ela, nada é possível.
Leitores - Meus cúmplices.
Deus - Amor.
Sua frase favorita - “Hoje.”


Sobre a autora

Karen Soarele sempre foi apaixonada por livros, filmes e jogos on-line. O que todas essas coisas têm em comum? Nelas, nada é impossível. No decorrer de alguns anos, criou seu próprio mundo, Myríade, uma terra cheia de perigos e magia, onde seus heróis e heroínas vivem aventuras incríveis!

Karen tem 24 anos, é graduada em Publicidade e Propaganda e pós-graduada em Linguagens e Produção Textual. Ela acredita no poder que a leitura tem de enriquecer a cultura, o senso crítico e a vida das pessoas e que, com determinação, nada é impossível.

Contatos

Download gratuito: A Rainha da Primavera

[Lançamentos Fevereiro] Editora Novo Conceito

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Olá, amigos e leitores! Como vão todos? Espero que muito bem, pois eu estou ótima. Então, nesse clima super alto astral em pleno meio da semana, vamos conferir os lançamentos de fevereiro pela Editora Novo Conceito.

_______________________________________


Sinopse

Tamara Goodwin sempre teve tudo o que quis e nunca precisou pensar no amanhã. Contudo, de repente, seu mundo vira de cabeça para baixo e ela precisa trocar sua confortávelvida da metrópole por uma cidadezinha do interior. Assim, Tamara logo se sente solitária e louca para voltar para casa.

Então, uma biblioteca itinerante chega ao vilarejo, trazendo junto um misterioso livro de couro trancado com uma fivela dourada e um cadeado. O que Tamara descobre ao longo de suas páginas a deixa surpresa. E tudo começa a mudar das maneiras mais inesperadas possíveis... Será possível mudar o amanhã?


Sinopse

Ruby McQueen nunca tivera problemas sendo boazinha, e sempre fez questão de ter um bom relacionamento com sua família, ir bem na escola e tomar boas decisões. Esse é o motivo do porquê ninguém fica mais surpreso do que ela mesma quando o mau caráter Travis Becker a suga para seu mundo de privilégios e ilegalidades, e ela o segue voluntariamente. No entanto, quando Ruby faz o impensável, começa uma louca aventura de várias gerações, conforme seus entes mais íntimos fazem de tudo para salvá-la dela mesma. Será que um verão pode mudar o que Ruby sabe sobre o verdadeiro amor, a família, o destino e seu próprio coração?


Sinopse

Por décadas, Clive Cussler vem deleitando leitores com romances repletos de suspense, ação e pura audácia. Agora, ele faz isso novamente, em um dos mais loucos e estimulantes thrillers de época dos últimos anos.

O governo norte-americano contrata a renomada Agência de Detetives Van Dorn e seu agente igualmente renomado, Isaac Bell, para capturar um lendário ladrão de bancos conhecido como Assaltante Açougueiro. Este assassinara homens, mulheres e crianças, sem deixar nenhuma pista nem testemunhas. O detetive Bell lidera a busca e finalmente descobre a verdadeira identidade do Assaltante Açougueiro. E nesse momento inicia-se a verdadeira caçada.

Com um enredo intrincado, dois vilões extraordinários e a assinatura de Cussler em reviravoltas surpreendentes, A Caçada é o trabalho de um mestre no auge de seu talento.


Sinopse

Quando Julie tinha 12 anos, sua irmã mais nova desapareceu e nunca mais foi encontrada. Uma perda que corroeu os laços familiares e deixou sua mãe obcecada pela busca da irmã.

Já adulta e com um prestigiado emprego, Julie conhece Monica, que a faz lembrar muito de sua irmã desaparecida há 17 anos. Elas se tornam melhores amigas, uma amizade que começa como um processo de cura para Julie.

No entanto, uma fatalidade abate a amizade e Julie se vê responsável pelo filho de Monica. Ela decide levar o menino para Biloxi, Mississippi, para encontrar a família que ele não conhecera.

A partir dessa viagem, Julie descobrirá segredos que estão ligados a sua família e seu passado...


Sinopse

Maggie Moran e seu marido são comuns, até um pouco tediosos. E é esse realismo que torna esta história tão eficaz e comovente...

Começa em um dia de verão, quando Maggie e Ira viajam de Baltimore para a Pensilvânia para um funeral. Maggie é impetuosa, desastrada, desajeitada, propensa a acidentes e tagarela. Ira é reservado, preciso, respeitável, tem uma mania irritante de assobiar músicas que traem seus pensamentos mais profundos e acha que sua esposa transforma os fatos de maneira que se encaixem na sua opinião sobre as pessoas que ama. Ambos sentem que seus filhos são estranhos, que a cultura das novas gerações está indo por água abaixo e que, de alguma forma, se enganaram com essa sociedade cujos valores não reconhecem mais. Mas esta viagem vai levá-los a refletir sobre estas angústias, e vai mostrá-los como é importante reavaliar seus sentimentos.


[Resenha + Filme] Jogos Vorazes

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Olá, amigos e leitores! Depois de muito tempo sem resenhas aqui no blog - culpa de eu ter lido muitos livros de uma só vez e agora não estar dando conta de resenhá-los -, venho hoje com nada mais, nada menos que uma dobradinha de Jogos Vorazes

___________________________________________

Jogos Vorazes

Título original: The Hunger Games
Autora: Suzanne Collins
Tradutor: Alexandre D'Elia
Editora: Rocco
Gênero: Romance Distópico
Ano: 2009 
Páginas: 397

Sinopse

A história se passa em uma nação chamada Panem, fundada após o fim da América do Norte. Formada por 12 distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital, sede do governo. Uma das formas com que demonstra seu poder sobre o resto do carente país é com os 'Jogos Vorazes', uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de 12 a 18 anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte. Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido Distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos 'Jogos Vorazes'? 



Resenha do livro


Jogos Vorazes conta a história de Katniss, uma garota de dezesseis anos que vive no Distrito 12 de Panem, América do Norte reconstruída. Para salvar a vida de Prim, sua irmã de doze anos, Katniss decide se oferecer como tributo para a 74ª edição dos Jogos Vorazes, que consiste na disputa pela vida entre vinte e quatro jovens de entre doze e dezoito anos, um casal de cada distrito do país, em que apenas um sairá vencedor. 


Na primeira metade da história, conhecemos a realidade dos moradores do Distrito 12. Katniss e seu melhor amigo, Gale, caçam na floresta para garantir a alimentação de suas famílias, mesmo esse exercício sendo considerado um crime. A história já começa no Dia da Colheita, quando os tributos serão escolhidos, e ficamos envolvidos pela relação de Katniss e Gale. Porém, quando a colheita ocorre, logo percebemos a forte ligação que haverá entre a protagonista e seu parceiro tributo, Peeta Mellark. 


Após a despedida, os tributos seguem viagem num trem veloz e bastante luxuoso até a Capital, onde passarão por alguns dias de preparação estética e física, até o momento em que chegarão à arena. É então que as coisas parecem tomar um rumo bem diferente, tanto em relação aos personagens quanto ao ritmo da história. Confesso que demorei alguns dias para chegar ao momento da arena - eu sempre pegava no sono depois de ler dois ou três capítulos -, mas quando os Jogos começaram de verdade, não pude mais me conter, só parei de ler quando Katniss narrou a frase final.


Sei que estou bem atrasada na leitura dessa série - na verdade, ela não me atraía -, e que grande parte dos leitores do blog já leu a continuação, mas não há como não mencionar o triângulo amoroso que está se formando. Muitos são apaixonados por Gale, muitos também são loucos pelo menino do pão, Peeta. E tudo que eu posso dizer a respeito dos personagens é: Rue é linda (Distrito 11); Haymitch é uma incógnita perfeita (mentor Distrito 12); Cinna é maravilhoso (estilista); Gale parece ser incrível; Katniss é forte; Peeta é ingênuo demais - dá mesmo vontade de colocá-lo num lugar onde nada nem ninguém possa machucá-lo.



Comparando com o filme, o livro tem muito mais detalhes. Contudo, achei o filme bastante coerente. A cena final do filme também tem algumas diferenças, e o que eu mais gostei, além de as cenas das mortes e de ação terem ficado muito mais claras e compreensíveis do que no livro, foi o fato de Peeta parecer mais másculo. Certo, eu sou adepta do garoto do pão, fazer o quê, né?

Apesar de ter gostado muito do enredo, do ritmo da narração e dos personagens, senti que Suzanna Collins falhou um pouco na questão da credulidade, especialmente, no começo da história. As lembranças de Katniss me deram a sensação de que a autora escreveu tudo e depois retornou para inserir informações adicionais. Como também sou escritora, utilizo bastante esse recurso, e ouso afirmar que Suzanne escorregou. Outro ponto que considerei falho no livro foi em relação à personalidade de Katniss que oscilou entre amarga, inocente, boba, feroz, falsa e confusa. Não lancem pedras em mim, eu gosto da Katniss e entendo suas possíveis razões, só não concordo com ela.


Bem, resolvo parar por aqui antes que termine soltando spoilers. Quem gosta de histórias distópicas, cheias de ação e com um toque de romance pode ler e assistir Jogos Vorazes, livro e filme, que, sem dúvida, vai amar. Recomendo!


Classificação
Livro 
Filme 

[Fotografia] 1 x 7 - semana 2

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Olá, amigos e leitores! Vocês já devem saber, eu moro em Salvador, e aqui pega fogo nessa época do ano. Como eu não gosto nada de carnaval, aproveito para ir à praia ou me divertir com os amigos. Então, fugindo à regra, em pleno carnaval, trago uma postagem que nada tem a ver com o carnaval. Simplesmente uma sessão de fotografias, vamos lá? 

Padrão do projeto:

Domingo - Liberdade/Natureza
Segunda - Amizade/Hilário
Terça - Complexo/Diferente
Quarta - Marcante/Concreto
Quinta - Outro Autor
Sexta - Amável/Poético
Sábado - Animais/Emocionante

Confiram a minha primeira seleção do ano! Cliquem nas fotos para vê-las ampliadas.




Segunda Amizade

Pai e Filho - Pesque e Pague , Iaçu -BA

Terça Complexo/Diferente

Telhado rico

Quarta Marcante

O Céu por Cobertor

Quinta Outro Autor

Toda minha liberdade - Foto: Iadson Oliveira

Sexta Poético

Luz e Mistério

Sábado Animais/Emocionante

Um Olhar de Amor - Tigre

Domingo  Liberdade/Natureza

Entrando nas Nuvens - Retorno de Manaus, 13.10.2010


_________________________________

Atenção: segundo a licença do blog, vocês podem copiar, distribuir e reproduzir esta obra, desde que atribuam a minha autoria. É proibido modificá-la e utilizá-la para fins comerciais. Caso desejem utilizar a fotografia original, sem a minha marca, solicitem nos comentários ou me enviem um e-mail (isiefernandes.contato@gmail.com).

[Sorteio] Coleção Hush Hush #Resultado

sábado, 9 de fevereiro de 2013


Hoje trago o resultado do sorteio dos três primeiros livros da série Hush Hush, novamente em parceria com a Biia do blog Pepper Lipistick. A grande sortuda da vez é Luciana Brito. Nós já verificamos as suas entradas e você cumpriu todas as regras direitinho. Parabéns querida, você tem três (03) dias para responder o e-mail que enviamos informando o resultado.


a Rafflecopter giveaway

[Sonhos] Os Dourados

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Como vão, amigos e leitores queridos? Antes de tudo, gostaria de me desculpar com vocês. Estou demorando a postar e a retribuir visitas, pois ainda não me recuperei totalmente da tendinite. Logo tudo voltará ao normal.

Não é segredo que eu gosto muito de falar sobre sono e sonhos - confiram meus artigos sobre Fases do Sono (REM e NREM) e Condensação e Deslocamento. E hoje, trago um sonho fantástico - isso mesmo, fantástico no sentido literal da palavra - que tive no dia 20 de abril de 2012. Outra versão desse texto foi publicada no fórum Escreva Seu Livro

___________________________________________

Os Dourados


Tive um sonho incrível hoje, apocalíptico. Nele, eu saí com meu esposo e um dos meus gatos entrou no carro. Fomos dormir na casa da minha mãe, mas lá não tinha comida para o gato (um reflexo da realidade, pois meu esposo havia comprado a ração e esquecido no carro). Bem, aparecíamos na casa da minha mãe, mas era a casa de uma das minhas amigas de infância (vizinha), e eu via uma estrela mudar de cor no céu noturno. Chamei meu esposo e minha mãe para mostrá-la, porém eles não conseguiram vê-la. Quando a viram, enfim, a estrela mudava mais ainda, oscilava entre azul, amarelo, vermelho e lilás. Logo, várias estrelas começaram a se movimentar de um lado para o outro no céu e começamos a ver os planetas - a Terra estava se movendo no espaço!

Apareci na casa da minha mãe, preocupada com a comida do gato, mas como narrador-personagem-observador (dá para entender?). Duas mulheres chegaram para falar com minha mãe e eu as ouvi dizendo: "eles (referindo-se ao meu esposo e minha mãe) não estão mais aqui. Será que eles são dos dourados?". Dourados?, pensei e ouvi meu celular tocar. Atendi, era minha mãe, só que ela não falava nada. Então, vi por trás de mim - como em espelho, obscuramente -, uns seres translúcidos que subiam ao céu (em minha mente era algo como o arrebatamento descrito na Bíblia). Também comecei a subir e a única coisa que tive tempo de pensar foi: "Estou indo também, vou encontrá-los (meu esposo e minha mãe) lá no céu"; e disse: "Perdão pelos meus pecados, Deus". 

Senti cada partícula do meu corpo sendo suspensa, como se minhas células estivessem se transformando. Daí, percebi que demorou a chegar ao céu - a Bíblia diz que será como um piscar de olhos - e desconfiei que estivesse dormindo. Virei o rosto para o lado direito, senti o travesseiro e acordei muito emocionada. Havia tempo que eu não tinha um sonho desse tipo, tão real a ponto de me fazer perder a noção da realidade. Foi fantástico!

Possíveis associações do meu inconsciente

1) A ração do gato que estava presa no carro; 
2) Assisti a um trecho do filme Thor - nele, há uma ponte que liga nove mundos e dá para ver os corpos celestes; 
3) Dois dias antes, assisti a "2012". Bem, o mundo quase acaba nesse filme, mas não há menção de outras estrelas além do sol.

Em suma, foi mesmo um sonho apocalíptico. E vocês, costumam ter sonhos desse tipo, sobrenaturais ou apocalípticos?