[Literatura Fantástica] Como criar uma nova língua

terça-feira, 17 de abril de 2012


Não faz muitos dias, estive no blog de um colega do Fórum Escreva Seu Livro e li um artigo sobre como criar um MundoNovo. Atualmente, estou trabalhando num livro de Literatura Fantástica - na verdade, como a história se passa no mundo real e os acontecimentos fantásticos estão ligados a fatos científicos, Asas de Vidro se torna Realismo Fantástico - e decidi criar uma nova língua que será compartilhada por três personagens.

Quando eu era adolescente, tinha um código escrito em que cada caractere - letras, pontuações e números - correspondia a um símbolo preexistente ou criado por mim. Assim, a minha primeira reação foi tentar criar uma correspondência entre as letras do nosso alfabeto com outras letras ou sílabas. Inicialmente, pareceu uma ótima opção, mas as palavras começaram a ficar muito extensas e as pronúncias complicadas. Parti para mais uma ideia com o alfabeto, e conclui que a melhor alternativa era pesquisar.

Encontrei outro blog que falava sobre criação de novas línguas e aquilo me pareceu muito peculiar. Então, percebi que precisava criar uma língua independente, baseando-me em conceitos das línguas que eu já conhecia - Português e Francês.

Não faz muito tempo que ingressei no curso de línguas da faculdade, mas, desde o primeiro semestre, notei que algumas coisas são essenciais ao início da comunicação em um novo idioma: saudações, partículas afirmativas e negativas, artigos definidos e indefinidos, pronomes em geral e conjugações verbais. Como, em minha opinião, os verbos mais relevantes para quem está engatinhando numa nova língua são SER, TER, PODER e IR, resolvi conjugá-los no presente do indicativo.

Confiram alguns dos resultados gerais:

- Partículas negativa e positiva

Não - Zid
Sim - Rai

- Pronomes Pessoais

Eu - Mesi
Tu - Bud
Ele/Ela - Ide/Ida
Nós - Noan
Vós - Voan
Eles/Elas - Iden/Idan

- Presente do Indicativo, conjugação dos verbos SER - LEF (irregular) e TER - RIAF (regular)

SER - LEF                                  
Mesi lèf
Bud main
Ide/ida mai
Noan lefon
Voan lefoin
Iden/ida leien

TER - RIAF
Mesi riàf
Bud riafan
Ide/ida riafa
Noan riafon
Voan riafoin
Iden/idan riafien

Além disso, criei os Pronomes Possessivos, Demonstrativos, de Tratamento e regras para o emprego do plural. O próximo passo será a criação de um vocabulário básico, baseado nas palavras mais utilizadas pelo elenco da história - afinal de contas, não dá pra criar um "Aurélio" do dia pra noite, né?

Por enquanto, é só. Espero que minha experiência ajude em alguma coisa. Se quiser contar a sua, fique à vontade.

_______________________________
Se gostou, deixe um comentário. Para isso, não precisa ter blog, basta ter uma conta Google.

8 comentários:

  1. Mônica Cadorin disse...:

    inventar uma nova língua? Tô fora! Prefiro "traduzir" o que meus personagens falarem em outras línguas, e escrever tudo em português mesmo. :)

  1. Isie Fernandes disse...:

    Hahaha! Isso é comum em histórias fantásticas, Mônica. Sem falar que meus narradores variam. Nessa história, tenho dois na primeira pessoa e um na terceira. Para narrar traduzindo tudo, tem que ser narrador-observador ou onisciente.

  1. João Simões disse...:

    Muito bem explicado. Muito obrigado pelas dicas, Isie. Há um bom tempo que queria criar uma nova língua para uma história e não sabia mesmo como o fazer ;)

  1. Muito legal! Estava procurando o nome que se dá a pessoas que criam línguas e acabei parando aqui. Boa sorte com sua empreitada!

  1. Patrick Stutz disse...:

    Obrigado! Estou inventando uma língua pra conversar entre amigos!

  1. Lucas Vinicius disse...:

    Essa ideia e muito boa me ajudou demais

  1. Lucas Vinicius disse...:

    Muito boa essa ideia,me ajudou muito

Postar um comentário

A sua participação é muito importante. Comente!